Instituto Mobilidade Verde e Swissnex Brazil

SWISS BRAZIL

No sábado, dia 7 de maio, o IMV participou do workshop de soluções para a cidade promovido pela Swissnex Brazil, uma empresa suiça público-privada focada em educação pesquisa e inovação. A empresa contatou um grande grupo de especialistas em transporte e poluição, bikeativistas e interessados em geral para discutir formas de aplicar no Brasil o projeto de pesquisa suíço chamado BeMap.

O projeto, desenvolvido por universitários da EPFL – Ecole Polytechnique Fédérale de Lausanne –  consiste em um sensor projetado para bicicletas que é capaz de medir o nível de poluição dos trajetos que o ciclista percorre e criar, em código aberto, um índice de poluição de acordo com o trajeto percorrido.

Numa escala de verde a vermelho – que pode ser regulada de acordo com os níveis de medição de poluição de cada cidade – o ciclista faz seu percurso e consegue criar um mapeamento automático da poluição dentro dos percursos feitos, apenas por meio de uma conexão USB do sensor a um computador que contenha o mapa da cidade carregado.

bemap

O projeto, da forma que foi desenvolvido, abre a possibilidade de melhorar os percursos de ciclovias existentes, deslocando os projetos de ciclovias para áreas menos poluídas com o auxílio direto dos próprios ciclistas, que podem compartilhar e comparar melhores rotas para sua saúde, ficando menos expostos a áreas mais poluídas.

Como parte da discussão do projeto no Brasil, o grupo Swissnex Brazil propôs uma atividade anterior ao workshop. Reuniu ciclistas interessados e forneceu 10 sensores a eles para que fizessem o teste da ferramenta em alguns percursos de ciclovias do Municipio de São Paulo. Os percursos escolhidos foram pensados para todas as regiões da cidade – Norte, Sul, Leste Oeste – e para os 3 períodos do dia – manhã, tarde e noite.

Por falta de quórum as medições acabaram sendo feitas apenas em ciclovias centrais – marginal Pinheiros e centro velho – mas já puderam dar uma pequena amostra da poluição a qual se está exposto nestes percursos de ciclovias. Demostrou-se, não em nível de pesquisa, mas de teste, que não apenas o ciclista, mas também os pedestres estão bastante expostos a poluição nestes trechos. No entanto, o mais interessante foi perceber que os motoristas de automóveis particulares são os que, de longe, estão mais expostos aos malefícios da poluição, já que, por proposta do IMV, a Swissnex Brazil também distribuiu 2 sensores para motoristas de taxi, que fizeram parte da amostragem.

O resultado dos dados e mapas da amostragem não pôde ser utilizados no workshop de discussão como base numérica, mas ajudaram na reflexão do grupo de que os danos da poluição podem nos afetar fortemente mesmo quando pensamos que estamos protegidos dentro do automóvel.

Depois do workshop de discussão, que contou com técnicos do ITDP, CET, ONGS, coletivos e ciclistas, o IMV agora vai em busca de como podemos nos apropriar no Brasil, a começar por São Paulo, deste sensor e dessa tecnologia suíça que, mesmo em fase de teste, já demonstra que pode ser uma ferramenta importante no processo de mudança cultural e política no que diz respeito a troca dos modais motorizados de transporte pelos não motorizados. Essa mudança é urgente e com certeza todos temos a ganhar com ela, começando com o que nos é essencial, nossa saúde.

por Letticia Rey

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s